Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

11 de dezembro de 2006

Homem se joga no rio para salvar criança de três anos

O analista de sistemas Adriano Levandoski de Miranda, 27, acordou desanimado para trabalhar ontem porque seu plantão coincidiu justamente com o dia do seu aniversário. Ele não conseguiu, porém, chegar ao trabalho porque no caminho teve que furtar uma moto e salvar uma criança atirada ao rio.

O aniversário de Miranda começou a se tornar inesquecível por volta das 9h30, quando ele caminhava em direção ao trabalho pela ponte da av. João Dias, em Santo Amaro, zona sul de São Paulo.

Duas pessoas agitadas mostravam a mãe que acabara de se jogar no rio Pinheiros agarrada ao filho de três anos, de uma altura de seis metros. Na região, o rio chega a dois metros de profundidade em determinados pontos, segundo a polícia.

Desesperado, Miranda pediu emprestada a moto de um dos curiosos que observava a cena. "Ele não quis emprestar. Quando ele virou as costas, eu peguei a moto dele e saí", explicou o analista. A moto parada ainda com o motor ligado.

O veículo foi utilizado para chegar à margem, perto de onde a mãe e a criança eram arrastadas. Mirando dirigiu pela contramão, desviando dos outros veículos, pois era o caminho mais curto. A mãe, de 26 anos, havia amarrado o cadarço do tênis do filho para levá-lo consigo ao fundo das águas. "Ela queria que a criança fosse com ela, que a acompanhasse para o mundo melhor", disse o delegado Avelino Jorge Alves da Costa Júnior, 42, sobre a explicação dada pela mulher durante depoimento no hospital.

Miranda disse que quando pulou na água poluída só lembrava do filho de dois anos. Ele saltou um obstáculo e entrou pela cintura "Acho que foi o instinto paterno. Pensei que alguém faria o mesmo se fosse o meu filho", disse ele, que refutou durante toda a entrevista o título de herói. "Qualquer um teria feito o que eu fiz", repetia ele.


Leia o resto da matéria no Alagoas 24 Horas.

Assim... digno de um curta metragem!
Postar um comentário