Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

17 de agosto de 2008

Música Alimento da Alma (MADA) - 2008

Diferente do ano passado, no qual só fui uma noite e só conhecia as bandas Pandora No Hako e Mellotrons, este ano tentei me "preparar" melhor para o festival, conhecendo boa parte das bandas antes. Mas, agora, acho que cometi um erro. Um festival é feito de surpresas. É necessário chegar lá e dizer "caralho, que foda!" ou então "isso é uma bosta, não vale meu dinheiro!" e, então, esperar a atração principal.

Enfim, vamos a um resumo do que aconteceu nos três dias do MADA sob a minha perspectiva parcial e tendenciosa na ordem de apresentação das bandas.

Quinta

Os Poetas Elétricos: uma das bandas que já conhecia antes do evento. Sempre me perguntei se a "poemúsica" ia fazer sucesso no mada e a resposta era sempre "não". Foi um bom show, mas tinha pouca gente. Primeiro dia, primeira banda, quinta-feira... normal.

AMPS & Lina: juro que tentei gostar, mas não deu. Não conseguia nem entender o que a garota estava falando.

NV: mesmo com uma leve chuva, o NV ainda manteve a galera próxima ao palco. O refrão do hit da banda, "Lapa", é bem fácil de aprender. E essa música parece muito com O Rappa. Foi bacana.

Sweet Fanny Adams: uma mistura de Franz Ferdinand com The Strokes. Show animado, muita gente se impressionou com a banda por não conhecê-la. Eu, que já tinha feito minhas audições, gostei bastante!

Rastafeeling: não gosto de reggae, mas não posso negar que os potiguares fizeram o pessoal mexer e a fumaça sair pro ar. Até ensaiei uns passinhos! O reggae é rootz!

Brand New Hate: muita presença de palco. Pra quem achava que as bandas do RN são ruins, taí a prova que não. Fez um dos melhores shows da noite.

Motosierra: pra ser sincero eu esperava mais. Ouvi a banda com antecedência e gostei muito, mas no show... sei lá. Ficou faltando algo.

O Rappa: Cantou os hits e agradou a todos. Achei normal.

Sexta

The Volta: não vi.

Lunares: cheguei na metade do show e pensei que estivessem fazendo playback de U2. Só depois vim perceber que era uma apresentação ao vivo e que não era U2 o que cantavam. Muito boa a banda. Muito boa mesmo!

Subaquático: deveria permanecer no fundo d'água.

Poliéster: o vocalista bem que tentou, mas o publico de Natal é morgado mesmo. Acho que ele ficou com raiva. A banda é mediana, tem umas músicas legais e outras nem tanto.

Sintese Modular: não sei o que essa banda estava fazendo no MADA.

Curumin: muito boa, tocou algumas músicas do "achados e perdidos". Vocalista conseguiu fazer a sonhada interação com o público, que mesmo sem conhecer as músicas, dançou bastante.

Autoramas: começou bem e foi caindo. Só tocou duas músicas que conheço, do cd "nada pode parar os autoramas". Convenhamos, aquela dancinha com a guitarra foi ridícula. Entretanto, um bom show, agradou as emos rebolantes na frente do palco.

Pato Fu: melhor show da noite. O repertório foi só com as músicas conhecidas, facilitando o contato com o público, que cantou muito.

Lobão: Lobão tocou Raul e tocou Lobão. Foi ótimo. Detalhe que havia muitos coroas por lá. Quem é fã, deve ter gostado. Eu não sou e gostei!

Sábado

Rosa de Pedra: não vi.

Sem Horas: só vi o final, não posso opinar.

Macanjo: uma tentativa pimba de ser Los Hermanos. Não é ruim, mas... pelo menos as músicas na apresentação são mais empolgantes que no cd.

Falcatrua: esperava mais, é uma banda que tem qualidade. Porem, quase no fim do show, ninguém estava mais em frente ao palco dos caras. Estavam esperando, ela...

Mallu Magalhães: foi Mallu que levou o publico emo-pseudo-pimba-wannabe-indie ao delírio. A menina realmente é muito fofinha e a voz dela é linda. Mesclou músicas conhecidas com algumas mais obscuras. Fez um Pout-Pourri com Beatles e tocou Johnny Cash. Só não gostei do final, no qual Malluzinha chegou ao microfone, disse "obrigado" e saiu apressada do palco. Espero que não seja bexiga baixa.

Cordel do Fogo Encantado: Cordel não me agrada muito. A chuva, que começou a ficar pesada, não retirou os fãs da banda. Estavam todos muito animados e festivos. Eu, por outro lado, me protegia da chuva jogando Speed Racer no Wii no estande da Petrobras.

Josh Rouse: as músicas são legais, mas não empolgam. É um show mais intimista. Poucos tiveram a coragem de enfrentar a chuva pra vê-lo. Mas foi bacana.

Seu Jorge: não vi. Já tinha ido embora.

Montage: também não vi, mas pelo estrago que fizeram no ano passado na tenda, deve ter sido ótimo no palco principal. Pelo menos para o público GLS.

Extras

Tenda: Só apareci por lá pra me proteger da chuva. Queria ter visto Barbiekill, mas era na hora de Sweet Fanny Adams...

Estande da Petrobras: Vou comprar um Wii. Muito divertido!

Feirinha: muito fraca. Sem atrativos. Sem venda de cds, como no ano passado. A variedade de estandes era muito pequena. Alguém fez tatuagem durante o MADA?
Postar um comentário