Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

26 de maio de 2011

Anacronizando os contos #4: Branca de Neve

A série Anacronizando os contos vai entrar em sua quarta parte para contar a história da Branca de Neve.


Branca de Neve. Hmmm. Ótimo nome para uma história, mas o nome dela não era esse. Na verdade, essa ALCUNHA "branca de neve" é errônea: o certo é "branca como a neve". Tudo porque a mãe dela gostaria que sua filha fosse "branca como a neve, com os cabelos negros como o ébano e os lábios vermelhos como o sangue". Como deu para notar, o nome verdadeiro da garota poderia ser qualquer um: Valdirene, Luceneide, Eufrasia, Djazilda, Luziane... nunca saberemos. o RG dela foi levado para o túmulo.

Dando prosseguimento a história, sua mãe morreu de causas que desconheço (havia uma alta mortalidade de mães de futuras personagens de contos de fadas) e o pai, o rei, acabou casando com uma linda e jovem socialite (esses homens de contos de fadas não sabem escolher suas mulheres). A majestade morreu pouco tempo depois, deixando sua filha sozinha com a madrasta.

Essa beldade, que obteve sua ascensão social assim como a Cinderela, possuía um espelho mágico que só falava a verdade (o bom de ser um espelho é que se ele contasse uma mentira, o nariz dele não cresceria). O espelho, na verdade, não era mágico. Era apenas um papagaio treinado para repetir a mesma frase: "você, você é a mais bonita". Isso porque a madrasta vivia perguntando ao espelho quem era a mais bela.


Certo dia, a enteada, ingênua, fez a mesma pergunta ao "espelho" e a resposta foi a óbvia. A nova rainha viu tudo e mesmo sabendo que o papagaio repetia a mesma coisa sempre, ficou possessa! Em seus delírios de injustificada grandeza, o papagaio podia dizer aquela frase somente para ela!


A madrasta enviou um JAGUNÇO para assassinar a garota. A menina conseguiu correr e, como era inverno na época, escondeu-se na neve (afinal ela era bem branquinha). O capacho da rainha foi contar do seu INSUCESSO e provavelmente morreu para que a história não vazasse. A rainha alegou que o sumiço da princesa aconteceu porque ela se perdeu na floresta. Ela poderia ter dado a garota como morta e a história terminaria aqui, mas não o fez.

Enquanto isso, Branca de Neve encontrou um local para passar a noite. Mal sabia que era a casa de uma GANGUE DE LADRÕES ANÕES. A garota, cansada de fugir, caiu logo no sono e foi estuprada pelos setes anões.


E eles disseram: "você pode ficar por aqui e ter um teto e comida, mas você vai ser a nossa putinha para sempre". Entre voltar para o reino e morrer em "circunstâncias desconhecidas" e fazer sexo com anões, Branca de Neve optou pelo fetiche da indústria do sexo. E viveu bem assim por um tempo, inclusive fazendo filmes amadores e disponibilizando-os na internet. Um dos descendentes dos anões permanece até hoje nesse ramo: chama-se Kid Bengala.

Enquanto isso, no castelo, a rainha precisava desesperadamente dar um fim a garota. Sim, é bastante injustificável tentar matar alguém porque um papagaio repetiu uma frase. Era mais fácil matar o papagaio (ou destruir o espelho, se você for purista), afinal o que os ouvidos não ouvem, o coração não sente. Mas não, ela insistia em assassinar a menina mesmo sendo ela, a madrasta, a Vera Fischer dos contos de fadas. Optou por envenená-la.


Disfarçada de Bruxa do 71, a madrasta foi até a casa dos anões enquanto eles estavam fora e deu a Branca de Neve uma rapadura (é doce, mas não é mole!). Como a socialite não tinha ido a Hogwarts para aprender poções com Severo Snape, errou na quantidade de maldade e ao invés de matá-la com o veneno, deixou-a em coma.


Os anões, ao verem a menina em coma profunda, nem ligaram e agora praticavam um certo tipo de necrofilia com o corpo da garota. A rainha sentiu-se vingada e a história novamente poderia terminar por aqui. Só que ela aumentou os impostos do reino para poder comprar mais produtos da Avon e isso afetou bastante a economia. Os anões, que trabalhavam diariamente nas minas, sentiram-se prejudicados e resolveram dar um jeito para que a Branca de Neve acordasse e tirasse a rainha do poder. Estava armado o palco para UM GOLPE DE ESTADO.


Mas como acordar a garota? Por obra do destino, um príncipe de outro reino (ex-vegetariano) estava caçando animais na floresta por puro esporte e se espantou ao encontrar o corpo da princesa vigiado pelos anões. Diante de cena tão insólita e encantado com as safadezas que podia fazer com aquela gostosa, o príncipe solicitou aos anões que levassem-na em sua Limousine para que os mais capacitados CURANDEIROS pudessem dar um jeito na garota.

Motivos que levaram o príncipe a aceitar sua natureza onívora

Após terem sido bem sucedidos em acordá-la, principe, anões e Branca de Neve pensavam em como praticar o REGICÍDIO! Decidiram que seria a noite e assim foi. A rainha não esperava por isso, óbvio, e assim que percebeu a invasão de seu castelo, tentou fugir, mas acabou tropeçando em seu Carmen Steffens, bateu com a cabeça na quina da prateleira de perfumes do Boticário e morreu. É, foi bem patético, mas ela era uma socialite né?

O príncipe se casou com Branca de Neve, uniu os dois reinos (como se fosse uma União Ibérica amigável) e os anões ganharam cargos de ministros: Zangado era o Ministro da Defesa, Feliz estava na Cultura, Atchim fazia parte da Saúde, Mestre estava encarregado das Relações Exteriores; O Trabalho e Emprego era comandado por Soneca, Dengoso exercia o papel nas Minas e Energias e Dunga, claro, era o ministro dos Esportes.
Postar um comentário