Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

14 de maio de 2011

A dois episódios do fim, The Mentalist ainda conta historinhas que não avançam a trama


Se no episodio anterior mostraram o passado de Rigsby através sua relação com seu pai, nesse focaram em Cho, mais precisamente na sua infância como membro de uma gangue.

Para isso foi necessário exibir um garoto que desejava entrar em uma dessas gangues para impedir que seu pai fosse preso. Cho viu nele tudo que havia sido e resolveu ajudá-lo.


Enquanto isso, Patrick Jane, o melhor personagem de seriado que eu já vi DESDE QUE EU NASCI ATÉ HOJE, investiga o caso de uma violinista assassinada. As suspeitas recaem em membros da orquestra.

Como não rir quando Patrick toca um instrumento de percussão, aponta o dedo para o Maestro e diz: "a justiça irá te encontrar!"?

E na cena em que ele entrega uma flor para Lisbon e ela fica desconfiada?


Patrick: Pra você!
Lisbon: Isso espirra água?
Patrick: Não. Sem truques.

Faltando dois episódios para o final da temporada - cujo título é "Strawberries and Cream" parte 1 e parte 2 - minha hipotese de que próximo capítulo focaria em Van Pelt vai pelo ralo. Estou no aguardo de momentos emocionantes, porque é certo que LaRoche e provavelmente Hightower irão aparecer. Red John também. Ele sempre aparece nos finais de temporada.

P.S: Sério, o personagem Patrick Jane é muito foda. Tem talento pra fazer qualquer coisa (ele sempre surpreende fazendo algo inesperado), é inteligente, carismático e charmoso! Simon Baker leva The Mentalist nas costas (com ajudas ocasionais de Lisbon e Cho, pois Rigsby e Van Pelt são insossos). Acho que um o único personagem que gostei tanto em uma série foi o Charlie Crews de LIFE com aquele jeito zen dele.



Postar um comentário