Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

2 de janeiro de 2012

Alguns filmes que vi recentemente

Julie & Julia


O filme é bacana. Fala sobre duas pessoas vivendo experiências parecidas em épocas distintas. E tudo gira em torno de comida. O filme dá fome, literalmente, porque se não é Julie cozinhando, é Julia! Dá pra tirar umas ótimas ideias do filme para cozinhar. A história se desenrola através de Julie, uma mulher que nunca dá fim aos seus objetivos. Resolve pegar um livro de receitas da famosa Julia ALGUMACOISA e realiza-las todas. Mais de 500 receitas para os 365 dias do ano. E publica tudo no seu blog. É baseado em fatos reais. O único problema do filme é que ele é meio parado, dá pra pausá-lo várias vezes até terminar de vê-lo. Mas eu vi até o final, então isso deve significar alguma coisa (O QUE?!). Ah, a voz da Julia é irritante.

G.I. Joe


É muito ruim. Infelizmente, nem os efeitos especiais salvam o filme. São muitos e bons, mas a trama é monótona demais. É como uma colcha de retalhos de vários filmes. Espero que não tenha continuação. Tem essa equipe, os JOE (o que é G.I.?!) que devem salvar o mundo de uma empresa que produz tecnologia de defesa e ataque. MARS. Eles fabricam uma ogiva que destrói metal e querem vender a forma de evita-la para os governos. Lembra um pouco aquele lance paranoico (será? SERÁ?!) das empresas farmacêuticas que fazem um alarde para uma doença besta só para venderem vacinas. Ou até mesmo produzir a doença. Quem sabe, né?

Easy A


Easy A é ótimo. Quem gosta de estudar feminismo (JULIANA, falo de VOCÊ!) o livro é uma ótima fonte. Como se portar quando todos te tratam como uma vadia? Fiquei até curioso para ver o filme que eles comentam na história, mas deixei pra lá. É preto-e-branco e não tem explosões. A menina do filme, uma gatinha que já esqueci o nome, não quer sair com a BFF (Best Friend FOREVER) no final de semana e inventa que tem um encontro com o amigo do irmão da faculdade. Na segunda, a amiga perguntando das NEWS, ela diz que transou com o cara. A fofoca se espalha no ar fácil e a menina já é taxada de vadia. Todos já olham safadorenhamente para ela. E nós, telespectadores, vamos ver como ela age nessa situação.

Trilogia Millenium: Os Homens Que Não Amavam as Mulheres, A Menina que Brincava com Fogo e A Rainha do Castelo de Ar


A trilogia Millenium, que Juliana me falou tão empolgantemente dos livros, é legal. Na verdade, achei ÓTIMO o primeiro filme porque envolveu descobrir um assassino, tinha um certo mistério e tal. Mas os outros dois foram, pra mim, forçados. Talvez porque eu não estou acostumado com filmes que tratem de (supostas) conspirações governamentais que NÃO ENVOLVAM OS EUA. É meio estranho isso rolar na Suécia. Ou era Noruega? Nem lembro mais. Fui condicionado a acreditar que elas só funcionam nos EUA, sorry! Dá pra ver o primeiro filme e parar nele mesmo. Mas caso você queira saber o que aconteceu com LISBELA SALAME em sua infância, assista aos outros dois. Repito: o primeiro é ótimo. Detalhe: eu não vi a versão americana, o remake. Vi só o original. Dizem que o remake é mais fiel ao livro.

No Strings Attached


Sexo sem compromisso é igual a qualquer outro filme do gênero. Um exemplo: Friends With Benefits. Igualzinho. Todos esses filmes que envolvem a temática de sexo sem compromisso, one night stand, amigos com benefícios, só fazem crer que isso não dá certo, que um das partes SEMPRE acaba se apaixonando pela pessoa. É como se nunca desse certo essa forma de levar a vida. Por que hein? Não tem nenhum filme que fazer sexo casual ocorra normalmente e seja o ponto principal da trama? O que é que está por trás disso? Porque alguém tem interesse de fazer com que as pessoas pensem que isso não é possível. Provavelmente conservadores né. Divago.

E falando em REFLEXÕES, e Natalie Portman, HEIN? QUE MULHER! Linda, linda, linda. Ela consegue fazer uma mulher madura num filme e em outro ser uma TEENAGER.
Postar um comentário