Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

24 de fevereiro de 2012

Tomboy

Essa semana rolou a seguinte noticia: "Garoto de 5 anos vive como uma menina e é diagnosticado com transtorno de identidade de gênero"


Um garoto de 5 anos que vive como uma menina é uma das pessoas mais jovens diagnosticadas com transtorno de identidade de gênero. Desde os 3 anos, Zach Avery, que vive em Essex, na Inglaterra, recusa-se a se vestir como um garoto. Segundo os pais dele, Theresa e Darren Avery, Zach ficou obcecado com a personagem de TV Dora, a exploradora.

Preocupados com o comportamento do filho, os pais levaram Zach ao médico. Depois de várias consultas e observações, ele foi diagnosticado por especialistas com transtorno de identidade de gênero. A escola em que o menino estuda, inclusive, disponibilizou um banheiro neutro, para crianças de todos os sexos.

Zach, com sua mãe Theresa, o pai Darren e o irmão Alex Foto: Reprodução
A mãe de Zach conta que o filho sempre se comportou como o menino, mas, de repente, no fim de 2010, ele começou a agir como uma garota. “Ele se virou para mim um dia, quando tinha 3 anos, e disse: ‘Mamãe, eu sou uma menina’. Presumi que ele estava apenas passando por uma fase. Depois, ele passou a ficar chateado quando alguém se referia a ele como um menino”, conta Theresa à reportagem do jornal Mail Online. (Fonte)

Procurando sobre o tema, descobri esse filme do título da postagem. Tomboy. Que fala o inverso. De uma garota que age como menino. E fui ver. E é um filme bacana. Laura, a menina do filme, se passa por Michael, um garoto. Ela é boa nos esportes e até consegue vencer lutas contra garotos. Não sei se encaixa no gênero infantil, pois apesar de ser recheado de crianças, não é toda criança que entende aquilo. Apesar que não acho incomum uma criança se vestir e agir igual ao sexo oposto. Até porque, ACHO, até uma certa idade elas não entendem o que aquilo representa (mas não é o caso do filme).

O carnaval ta aí pra mostrar que os homens ainda se vestem de mulheres. Conscientemente.

Como todo filme francês, o final fica em aberto. Mas é interessante ver pra discutir.

Postar um comentário