Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

26 de abril de 2012

Cotas

Sou a favor das cotas.

Antigamente eu achava que não existia racismo no Brasil, que usar camisas de "100% negro" era uma forma racista de se expressar e que, por isso, eu teria todo direito de usar uma camisa "100% branco".

Achava que o problema era puramente econômico. Ora, se existem pobres brancos e negros, existem também ricos negros e brancos. Todos tem sua chance, basta batalhar que você conseguirá o que deseja, afinal estamos num sistema capitalista que privilegia os que se esforçam mais.

Só que não. Não é tão simples assim. Há toda uma ideologia por trás disso.

Percebi que o racismo existe e ele é velado. Muitos de nós não percebemos porque somos privilegiados.
Sabem por que o Brasil não é um país meritocrático? Porque ninguém faz o caminho inverso. Sim, é possível que um favelado brilhante se torne presidente de empresa. Mas e as antas bem-nascidas?"

O peixe não enxerga a água justamente por ter vivido toda a sua vida rodeado por ela: só dá por sua falta quando está se debatendo no convés do barco.
Racismo é uma ação de poder e quem tem poder é o branco.
As cotas raciais a médio e longo prazo permitirão que mais e mais negros sejam vistos no mercado de trabalho como profissionais de sucesso, alterando as expectativas sociais que são atribuídas aos jovens negros.
As cotas são uma solução. Paliativa. Ainda sim uma solução. Ou uma das.


Como o racismo afeta a vida de Chris Rock nos EUA (sim, a situação lá é diferente, é apenas um exemplo:
É a primeira vez na história do mundo, que os brancos tem que ter cuidado no que dizem. Brancos, não se preocupem. É assim que a vida funciona. As vezes as pessoas com muita merda tem que calar a boca e deixar que outras pessoas falem merda delas. Eu vou dar um exemplo de como o racismo afeta a minha vida. Eu moro em um lugar chamado Alpine, New Jersey. Minha casa custa milhões de dolares. Na minha vizinhaça existem quatro pessoas negras. Centenas de casas, só quatro negros. Quem são esses quatro? um sou eu. Os outros são Mary J. Blige, Jay-Z e Eddie Murphy. Os únicos negros de toda a vizinhança. Bem, vamos analisar direito. Eu sou um comediante decente. Mary J. Blige uma das maiores cantoras de R&B que já existiu. Jay-Z um dos maiores rappers da história e Eddie Murphy um dos maiores atores de comédia da terra. sabe o que o cara branco que mora do meu lado faz da vida? Ele é uma porra de um dentista! Não é o melhor dentista do mundo, não vai pro hall da fama dos dentistas, não ganha placas por eliminar o tartaro. é apenas um dentista do tipo: “Arranca seu dente”. Você vê, um negro tem que voar, pra conseguir o que um homem branco consegue andando. É isso ai, eu tive que fazer milagres pra conseguir aquela casa. Eu tive que apresentar o Oscar, pra conseguir aquela casa. E até hoje, eu não acredito que seja a minha casa. por isso que eu deixo uma mochila bem do lado da porta, só para o caso dos brancos que são os verdadeiros donos aparecerem, um dia. “Hora de ir, negão”; “Droga, sabia que esse dia chegaria”; “Ainda bem que eu fiz as malas”. Sabe o que um dentista negro teria que fazer para se mudar pra minha vizinhança? Teria que inventar os “Dentes”!
O privilégio (invisível) de ser branco:


Algumas outras frases:
"Nos lugares onde foram aplicadas, longe de gerar segregação e ódio racial, as cotas promoveram distribuição de renda e ascensão socioeconômica."

(Ser contra as cotas porque elas "podem acirrar o conflito racial" é como contra as leis trabalhistas porque os patrões vão chiar!)
No entanto, a despeito de todas as explicações ideológicas, o homem negro teimosamente insistia em conservar suas características humanas, só restando ao homem branco reexaminar a sua própria humanidade e concluir que, nesse caso, ele era mais do que humano, isto é, escolhido por Deus para ser o deus do homem negro. Era uma conclusão lógica e inevitável no caminho da radical negação de qualquer laço comum com os selvagens.
O manto de privilégios que cobre e protege a nossa classe média é tão espesso que basta o simples fato de você SER da classe média, e ter amigos e conhecidos e parentes na classe média, para que isso já lhe abra portas e lhe conceda oportunidades totalmente fora do alcance da maioria dos brasileiros.
A falta do discurso racista torna as práticas racistas invisíveis (mas não menos opressivas) e tiram a legitimidade de qualquer contra-discurso: "Do que você está reclamando, meu filho? Pare de criar caso... O Brasil não é racista, nunca tivemos leis segregacionais, VOCÊ é que está sendo racista de falar nisso..."
Não somos culpados, mas somos, sim, responsáveis por solucionar os problemas atuais de nossa sociedade
As injustiças que as cotas pretendem corrigir não são as injustiças passadas. O que passou, passou. Acabou. Caput. Perguntem a qualquer historiador. As cotas existem porque as injustiças passadas continuam repercutindo e gerando novas injustiças, atuais e prementes, HOJE
Algumas fontes dessa postagem:
Chris Rock e o Racismo nos EUA
O que é ideologia?
Empatia
Cotas de Igualdade
Racismo e Normalidade
Você é um privilegiado?
Se daqui a mil anos...
Impossibilidade do negro ser racista
Pensamento Racial antes do Racismo
Postar um comentário