Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

11 de junho de 2012

As sacolinhas Plásticas

Em um intenso debate com Vitória, falamos sobre as sacolinhas plásticas. "Falaram o que?" você pergunta. É o seguinte: essa onda de (supostamente) politicamente correto está se espalhando para todo os setores e chegou aos supermercados. Os seguintes casos aconteceram:

- Supermercado X aboliu o uso da sacolinha plástica e pede aos consumidores para trazerem caixas de papelão de modo a carregar as compras;
- Supermercado Y removeu a sacolinha plástica, mas você pode pagar (4 centavos) por cada sacolinha que você usar. A mesma sacolinha que eles removeram;
- Supermercado Z removeu a sacolinha, não oferece a sacolinha plástica, não a venda, mas oferece umas sacolas maiores, de papel, por um preço mais "caro" (R$2,00 a R$5,00).


Primeiro. Por que eles removeram? A justificativa é o meio ambiente. As sacolas plásticas causam um grande impacto, a degradação delas dura milhares de anos, blá blá blá. Louvável mesmo a atitude. Porem substituir por papelão traz os mesmos problemas. E o plástico não deixará de ser produzido só porque algumas sacolinhas sairão de linha (caso saiam, veja que o Supermercado Y continua a vendê-las)

Segundo. Mesmo nos supermercados que removeram a sacola, o preço dos produtos não diminuíram. Claro, há outros fatores envolvidos nos preços, mas não houve uma misera diminuição. Pressuponho que os custos de manter as sacolinhas estejam embutidos nos preços dos produtos. Será que estou certo? Se sim, então por que não diminuiu? Fica a pergunta.

Terceiro. Há um uso posterior da sacola. Podemos usá-la para guardar lixo. Claro, a sacola vai parar no lixão e ANIQUILAR o meio ambiente.


Quais serão então as possíveis soluções de menor impacto ambiental?

Nossa (dela) ideia é investir em sacos biodegradáveis ou de papel. Em larga escala, claro, para diminuir os custos. Ambos não ficam voando por aí (como acontece com os sacos plásticos), pois absorvem os resíduos do ambiente. Só que para fazer sacola de papel, é necessário derrubar umas árvores, né? É, mas as árvores não vão deixar de cair, então é o jeito menos pior. Há de se pensar em criar áreas de manejo sustentável que permita a criação de árvores somente para esse fim, respeitando o ambiente local e a biodiversidade (que discurso bonito, né?)

É que não adianta entrar numa floresta e destruir toda uma biodiversidade de árvores e animais que vivem por perto para produzir apenas Eucaliptos. Entende?


Segundo Vitória, é possível fazer um "uso mais racional das sacolas, usando sacos de papel". Para ela, "o problema está no destino final do lixo."

Sem contar que o papel também é compostável se não reciclável e é uma fonte renovável de matéria se reflorestado. Não voa porque absorve resíduo e não mata passarinho, peixe ou criança sufocado


Temos que ter em mente que não podemos acreditar que remover sacolinha de plástico vai fazer uma diferença IMPACTANTE no mundo. Não vai. É utopia. Ideologia. As sacolas e OUTROS produtos de plástico continuarão a serem produzidos, até que haja uma alternativa viável (leia-se: barata e com grandes margens de lucro para quem produz). A iniciativa de removê-las é louvável, pois fomenta a discussão sobre os problemas e soluções são pensadas, mas remover apenas por remover não é a saída correta.

Coerência: passe adiante
Postar um comentário