Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

7 de junho de 2012

Hit and Miss (Hit & Miss)

Hit and Miss é um dos novos seriados da temporada inglesa e conta a história de uma mulher, Mia, que também é uma assassina de aluguel. Até ai nada demais.

Certo dia ela recebe uma carta de uma ex-namorada dizendo que está com câncer e... TCHARAM... que Mia é pai do seu filho. O que?! Isso. Mia não nasceu mulher. Ela é uma transexual. E quando ela ainda tentava viver uma vida fingindo ser uma pessoa que não era, teve esse relacionamento.



Refere-se à condição do indivíduo que possui uma identidade de gênero diferente da designada ao nascimento, tendo o desejo de viver e ser aceito como sendo do sexo oposto. Usualmente, os homens e as mulheres transexuais apresentam uma sensação de desconforto ou impropriedade de seu próprio sexo anatômico e desejam fazer uma transição de seu sexo de nascimento para o sexo oposto (sexo-alvo) com alguma ajuda médica (terapia de reatribuição de gênero) para seu corpo. A explicação estereotipada é de "uma mulher presa em um corpo masculino" ou vice-versa, ainda que muitos membros da comunidade transexual, assim como pessoas de fora da comunidade, rejeitem esta formulação.

Mia não sabe o que fazer, mas acaba indo ver a criança, um garoto de 11 anos. O espectador descobre que sua ex-namorada também tinha outros filhos. A garota que morreu tornou Mia tutora dos seus filhos, mas a protagonista não é bem recebida. Não somente pela questão do preconceito, mas também por ser uma pessoa com a qual as crianças nunca conviveram.


A irmã mais velha das crianças, Riley, é que mais se opõe. Quer que Mia apenas assine o papel da assistência social e suma de suas vidas. Age como uma mãe para os irmãos mais novos. Levi, o garoto, é submisso a vontade da irmã e também se opõe a Mia, mas não com a mesma enfase. Há também uma menininha, chamada Leonie, a qual não foi dado tanto destaque no episódio. Ah, tem o filho dela, Ryan.

Daí a trama, ao que parece, vai se desenvolver sobre a vida dupla que Mia leva, o preconceito que ela sofrerá ao longo da série, as questões de gênero, opressão e como ela conseguirá lidar com sua nova família.


Uma coisa que me chamou atenção foi a maquiagem dá Mia. Tem um caráter BASTANTE dúbio. Uma hora você tem certeza que ela é uma mulher, em outras você a vê como um homem. Até fiquei na duvida se a personagem era interpretada por um ator ou atriz. É uma atriz: Chloë Sevigny.

Curti bastante o episódio piloto. Como é uma série londrina, é tiro rápido. 6 episódios e fim da temporada. Prefiro assim, sem tanta enrolação. Recomendo!

Postar um comentário