Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

18 de julho de 2012

Akira

Se a sinopse do filme Senhor dos Aneis é "um hobbit que queria queimar o anel", em Akira é "tenho inveja da moto do meu amigo". Imagine um filme com grande potencial. Esse é Akira. Um filme que, não sei porque, é um clássico, mesmo sem explicar quase nada da sua mitologia.

Eu fiquei interessado em assistir ao filme pela curiosidade, já que dizem que haverá uma adaptação americana do mesmo. Com Leonardo DiCaprio ou algo assim. Mas o filme não diz a que veio logo no inicio. Isso é chato. Porque você fica na expectativa dele COMEÇAR DE VERDADE. E demora muito até isso acontecer...

Sobre a história: se passa no futuro. Em 2019. Em 16 de julho. Daqui a 7 anos. O Japão tá infestado de gangues. A antiga cidade de Tóquio foi destruída por um ser chamado Akira e em seu lugar existe NEO TÓQUIO. Há toda uma briga de gangues de motoqueiros na cidade. A violência correta solta. O líder de uma delas e protagonista da história é Kaneda.

Kaneda e a moto da discórdia.

Um dos amigos de Kaneda, Tetsuo, sofre um acidente em um desses confrontos e acaba indo parar em um hospital do governo (ou algo assim), onde acaba sofrendo alguns experimentos científicos, tendo muitas dores de cabeça em consequência disso e, também, ganhando alguns super poderes. Ao fugir do hospital, acaba roubando a moto de Kaneda (PORQUE KANEDA DUVIDOU QUE ELE CONSEGUIRIA DIRIGI-LA) e novamente o governo vem atrás dele e após uma crise devido as dores na cabeça, levá-lo de volta para o hospital. Kaneda então passa a desconfiar do que está acontecendo e vai atrás de resgatar o seu amigo e descobrir o que fizeram com ele.


Basicamente é isso.

No filme o desenho dos personagens são todos parecidos. É ate difícil distinguir mulheres dos homens. Acho que é porque nos animes de hoje há uma distinção bem maior do que é ser uma mulher. Seja nos peitões, nas cores do cabelo, nas saias curtinhas e plissadas... em Akira não há isso. Os cabelos tem a mesma cor, as roupas não diferem muito e o corpo não é destacado.

Rola também 3 personagens crianças AZUIS que foram feitos, obviamente, para causar repulsa no espectador. Só pode. Eles também tem poderes sobrenaturais. Isso será explicado mais lá na frente, mas é bem meia-boca.


O filme é pra ser uma ficção cientifica distopica, mas peca por não falar nada sobre a parte mitológica do planeta. Alias, fala, mas é tão escasso que nem conta. Não sabemos nada sobre a primeira destruição, sobre Akira, sobre como aquele poder existe... nada, nada, nada. Li por aí que quando da adaptação para o cinema, o mangá ainda não havia sido concluído. Provavelmente é por isso que as explicações são fracas.

Resta ver o que Hollywood fará num possível remake!
Postar um comentário