Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

5 de julho de 2012

Angel Beats!

Imagine que você acorda, não sabe onde está e ao seu lado há uma garota bonitinha portando uma arma de longo alcance. Uma sniper, sabe? Daí você se pergunta "O que aconteceu?", "Quem é você?", "O que eu fiz para parar aqui?".


Suas perguntas são respondidas , basicamente e respectivamente, com "Você morreu","Meu nome é Yurippe", "Não sei". Estranho, né? DEMAIS.

Basicamente é isso o que o personagem principal de Angel Beats, Otanashi, sente: estranheza. Esse local em que você está morto, mas que não é o céu, se parece muito bastante com a terra. O protagonista "acordou", descobriu que tinha morrido e não lembra da sua "vida" na terra e o levou a sua morte. O que é justificado pelos outros personagens com "é bastante comum sofrer amnésia quando se morre devido a algum acidente." Os danos cerebrais, entende? Mas ele logo é acalmado com "Sua memória vai voltar. Um dia". Encorajador.


Otonashi então é INTRODUZIDO ao novo mundo por Yurippe, a garotinha frenética que estava com a arma de sniper. O local que eles estão é um colégio e funciona como no mundo real, só que algumas pessoas, como Yurippe e Otonashi, são humanos que morreram e foram parar lá, enquanto as outras pessoas do colégio (diretores, alunos, etc), são NPC. Exatamente, "Personagem não jogável" (em inglês non-player character). Igualzinho aos jogos de RPG em que você fala com um e este toma uma atitude/responde de forma programada. Eles estão vivendo nesse mundo "desde sempre" (pelo que se sabe).

Tá, mas e aí? Qual é o objetivo de Otonashi nesse mundo? Ao que parece, as pessoas que vão parar lá são as que deixaram pendências não resolvidas enquanto vivos. Alguma coisa tipo o purgatório, sabe? Como resolver essas pendências no pós-vida? Assistindo você descobrirá.


Outro ponto importante é que Otonashi se junta a FRENTE DE BATALHA PÓS-VIDA, uma organização presidida pela Yurippe e que tem como objetivo derrotar a Tenshi (anjo em japonês), uma garotinha que domina e aparentemente faz as regras do local. Essa Tenshi possui alguns poderes sobrenaturais e nós, espectadores, não sabemos a principio se ela foi uma humana ou é realmente um anjo (tipo os de DEUS na bíblia) ou é apenas um NPC.

Um aspecto interessante é: ninguém morre nessa nova "vida". Logo no começo do primeiro episódio a Tenshi "mata" o Otonashi que acorda depois totalmente curado. Também ninguém fica doente nesse novo mundo, mas ainda assim pode ser OBLITERADO. Como? Assista para encontrar a resposta.

Temos também aquelas velhas perguntas: "Deus existe?", "Se sim, cadê ele/ela?", "Por que o Tenshi faz o que faz?", "O que é a alma?", "É possível um humano reencarnar em uma pulga d'água?". Simbiose de comédia com reflexões existenciais.


O anime é muito destoante e digo isso no sentido de definir um gênero especifico para o mesmo. Por vezes tem essas reflexões, outras horas tem comédia, depois tem umas cenas bacanas de briga... é bastante mesclado. Dica para quando for assistir: esqueça os outros personagens humanos e foque apenas nos três principais: Otonoshi, Yurippe, Tenshi. Eles que são interessantes. Infelizmente é inviável desenvolver todos os personagens da "frente" em 13 episódios.

Angel Beats possui apenas 13 episódios (20 minutos cada episódio), então dá pra assistir tudo sem problema num final de semana. Há também dois OVAS, um desses sendo o epilogo da série (curto mesmo, apenas dois minutos) e um outro chamado "Stairway To Heaven"; O desenho dos personagens é bonito; A abertura é bacana a ponto de não precisar pular direto para o começo do episódio (o que eu costumo fazer sempre quando a abertura é um saco) e a trilha sonora encaixa certinha com o que ocorre na tela; As histórias mostradas são profundas (pra um anime de 13 eps) e as reflexões propostas também.

O final é lindo, você não vai parar de chorar. Recomendo!

Postar um comentário