Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

11 de setembro de 2012

Que pena tu boda

Continuação do filme chileno "Que pena tu vida", que por algum motivo obscuro não fiz a resenha por aqui.


No filme anterior (ver paragrafo acima), a temática da história envolvia amizade: um casal de amigos que, no fim, percebia que gostavam um do outro. Tudo isso envolvendo muitas referências a internet (facebook, youtube, twitter, etc).

Em "que pena tu boda", esse casal está namorando já há algum tempo. O tema da vez é casamento. Só que Javier, o homem, não acredita em relacionamentos duradouros. Não acredita na monogamia. E não é por não gostar da namorada, apenas acha impossível não se interessar por outras pessoas ao longo da vida.


A história vai mostrando esses temas. De que a mulher, Ângela, é DOIDA por casar. Que casamento é a cereja no bolo da felicidade conjugal. Não é bem assim, né? Em dado momento da história, logo no início, Ângela acredita estar gravida. Javier pede-a em casamento e o debate continua: ele está querendo casar por AMOR ou pela gravidez?


Outro ponto interessante é a discussão sobre o ideal tradicional de família. Que tem que casar na igreja, que tem que ficar junto até o fim, custe o que custar, etc. Há uma cena muito interessante que mostra a preocupação da mãe de Ângela por Javier querer se casar apenas no civil. Ela tem medo de que o neto, após sua morte, vá para o LIMBO, afinal não iria ser batizado.


A produção tem essa LINGUAGEM JOVEM (aparentemente só jovens usam a internet, né? NÃO), então o filme usa e abusa dessas redes sociais mais famosas para criar situações: os créditos iniciais igual ao Facebook, a troca de mensagens via Twitter, o desejo de adotar crianças porque BRAD e ANGELINA também o fazem, as camisas de Javier com diversas #hashtags, uma sextape caindo em sites pornográficos, as redes sociais como locais denunciadores de TRAIÇÕES, o encerramento no estilo da timeline do Twitter. É bastante detalhista essas menções.


Apesar de todas essas reflexões, não se deixe enganar: a história é uma COMÉDIA. Prometo BASTANTE risadas. Caso vá assisti-lo, recomendo também que veja a parte anterior "Que pena tu vida". Vale a pena.

No fim, a lição que fica é que alguns conflitos só são resolvidas DANDO TEMPO AO TEMPO. Tempo este necessário para que as pessoas reflitam suas atitudes e possam amadurecer. Ou não.

Postar um comentário