21 de novembro de 2012

Y: The Last Man (Y: O Último Homem)


A história em quadrinhos que terminei de ler recentemente chama-se Y: The last man (no Brasil: "Y: O último homem). Criada por Brian K. Vaughan, conta da história de um rapaz, Yorick. Após uma epidemia que dizimou instantânea e subitamente TODOS OS MAMÍFEROS MASCULINOS DO MUNDO, Yorick e seu macaco de estimação (Ampersand) são os únicos machos remanescentes no planeta. O Y do título não é a toa: além de, claro, ser referência ao nome do protagonista, também se relaciona com o cromossomo Y, o responsável pela determinação do sexo do homem.

E o macaco, né? Afinal, o ser humano evoluiu de um ancestral comum ao macaco.


Diferente do que as propagandas da Axe nos fizeram acreditar, esse mundo não é tão maravilhoso como você possa imaginar. Nem todas querem dar para ele, pelo contrário: boa parte o caçam por diversos motivos (que você descobrirá ao longo da leitura).

No verão de 2002, uma praga de origem desconhecida destruiu até o último esperma, feto e mamífero completamente desenvolvido com um cromossomo Y (com exceção de um rapaz e seu bichinho de estimação).

Esse "generocídio" exterminou instantaneamente 48% da população global, ou aproximadamente 2,9 bilhões de homens. 495 dos 500 CEOs listados pela revista Fortune estão mortos agora, bem como 99% dos proprietários de terras do mundo. Só nos Estados Unidos, mais de 95% de todos os pilotos comerciais, motoristas de caminhão e capitães de navio morreram... assim como 92% dos presidiários condenados por crimes hediondos.

Internacionalmente, 99% de todos os trabalhadores nas indústrias mecânica, elétrica e de construção estão mortos agora... embora 51% da força de trabalho agrícola do planeta ainda esteja viva.

14 nações, incluindo Espanha e Alemanha, têm soldados do sexo feminino que serviram em unidades de combate terrestre. Nenhuma das quase 200 mil militares dos Estados Unidos participou de combate terrestre. Austrália, Noruega e Suécia são os únicos países que têm mulheres servindo a bordo de submarinos.

Em Israel, todas as mulheres entre as idades de 18 e 26 anos cumpriram serviço militar obrigatório nas Forças de Defesa de Israel pelo tempo mínimo de um ano e nove meses. Antes da praga, houve pelo menos três "mulheres-bombas" suicidas palestinas.

No mundo inteiro, 85% de todos os representantes governamentais estão mortos... assim como 100% dos padres católicos, imãs muçulmanos e rabinos judeus ortodoxos.

Esse tipo de história (distopia) é o gênero que mais gosto. Geralmente envolve tirar algo que está presente em abundância ou acrescentar algo que é escasso (o segredo das ficções). O fato de todos quase todos os homens terem sido extintos não torna a terra um local cor-de-rosa. É um cenário totalmente novo, onde certas nações emergem para deter o domínio global.

Bem, mas e aí? O que é contado na história de Yorick? Bem, antes da praga, o rapaz estava namorando uma garota chamada Beth. Durante a epidemia, essa menina estava na Austrália. O objetivo de Yorick, após perceber a catástrofe, é ir atrás de sua namorada. Só que ele não pode sair na rua sem um disfarce... vai saber, né?

Grupos extremistas começam a surgir, como as Amazonas, mulheres que odeiam homens (e mulheres que sentem falta dos mesmos). São um dos primeiros grupos que, ao ouvir o boato de que existe ainda um homem vivo, vão a sua caça.


Baseado na cadeia de comando (e da falta de mulheres em cargos mais altos), a mãe de Yorick, uma política comum, é alçada ao posto de presidente dos Estados Unidos nesse período de caos; Hero é a irmã do protagonista. Ela guarda alguns ressentimentos do irmão; Alisson Mann é uma renomada geneticista que guarda um segredo importante e pretende descobrir o que causou a epidemia e, se possível, com ajuda de Yorick, fazer vários clonezinhos do rapaz; 355 é o codinome de uma agente secreto pertencente a uma antiga organização (que existiu de verdade!) chamada Culper Ring, responsável por proteger Yorick (mas não sabemos os motivos que levaram essa proteção).


A história tem vários temas e curiosidades, tanto sobre o mundo (do quadrinho), como referências a cultura popular. Listei algumas abaixo.

- Ter um pênis não te torna invencível;

- A oposição entre mulheres e homens após a praga. Certos grupos viam os homens como oponentes (as Amazonas, por exemplo);

- A obrigação de repovoar o mundo;

- O idealismo amoroso de Yorick em tentar manter sua fidelidade com uma mulher, durante anos, que ele não sabe se está viva ou morta, evitando (ou tentando) fazer sexo com outras;

- Clonagem;

- Destruição de banco de espermas para evitar inseminações artificiais (isso se funcionasse, pois ninguém sabia lidar o motivo da epidemia);

- A ideia de que sem um problema externo (certas nações caçando Yorick), as pessoas entrarão em guerra por problemas internos. Ou seja, é necessário uma distração global para evitar que as pessoas olhem para seus próprios umbigos. (Lembrei do anime Gundam 00, cuja história mostra um planeta Terra dividido em três facções que são inimigas, mas se unem contra um objetivo em comum, derrotar a organização Celestial Being, dona dos Gundam);


- Nas origens do jogo de Xadrez, havia uma peça chamada Vizir. Esta foi, posteriormente, substituída pela DAMA.

- Mutas menções a Houdini, uma espécie de mágico famoso em promover escapadas. Yorick quer se tornar um mágico;

- Sindrome do sobrevivente: Esta Síndrome foi descrita pela primeira vez em 1976 por Lifton e Olson que distinguiram vários componentes característicos: a) impressão e ansiedade elevada para a morte (imagens e lembranças recorrentes sobre o desastre, pesadelos e pensamentos negativos); 2) culpa pela morte de outros e busca de culpado (sentimento de culpa pela sobrevivência e de auto-condenação por ter sobrevivido); 3) embotamento emocional e sentimento de degradação; 4) entorpecimento psíquico, apatia, isolamento, deterioração das relações sociais; luta interna para encontrar algum significado do desastre (religiosa, racional, metafísica); 5) irritabilidade, ira, agressão (similar a psicopatia); sentimento de culpa, agressão e 6) problemas físicos, como hipertensão, dor de cabeça e transtornos gastrintestinais. Por outro lado, é claro que existem nessa Síndrome casos mais ou menos graves, mas muitos se perguntam: Por que eu que me salvei? Enfim, precisam encontrar ou reencontrar razões para viver, pois, isso é que o salvarão plenamente ao descobrirem seu verdadeiro destino (Fonte);

- A expressão "Vitória Pirrica" utilizada para expressar uma vitória obtida a alto preço, potencialmente acarretadora de prejuízos irreparáveis;

- O escritor Yevgeny Zamyatin, criador do romance distópico Nós, que influenciou escritores como Aldous Huxley e George Orwell;

- A Batalha de Azincourt citada na HQ se refere ao Dia de São Crispim. É uma versão moderna da luta das Termópilas: em grande inferioridade numérica, os ingleses contavam com, aproximadamente, 15 mil soldados para se opor aos 50 milhares de franceses (os números são imprecisos). Numa excelente estratégia, os arqueiros ingleses - e galeses - praticamente liquidaram os franceses no atoleiro. A derrota foi assombrosa;


- A história de Lizzie Borden;

- Os Asilos de Madalena: Jovens mulheres confinadas em asilos administrados por freiras cruéis e submetidas a tortura psicológica, trabalho escravo e abuso sexual (Fonte. De certa forma lembrei da segunda temporada do seriado American Horror Story);

- A levitação Balducci (veja como fazer);

- Tabletes de purificação, pastilhas que se bota na água para torná-la potável;

- A história de Rosalind Franklin, cuja importância foi descobrir a forma helicoidal do DNA, mas que não recebeu a devida atenção, sequer ganhando o nobel pelo seu trabalho (que precisou ser confirmado por homens);

- Sabia que 0,5% da população do planeta descende de Genghis Khan? (Fonte);

- Já ouviu falar na teoria da ressonância mórfica?

- Por fim, a história do flautista de Hamelin.


Você pode encontrar os quadrinhos (completo, em inglês) na Baia Pirata (via torrent).

E, caso você não goste de ler, guarde suas esperanças; talvez haja um filme. Espero que seja uma trilogia, no mínimo. Ou então torne-se um seriado (estilo The Walking Dead).
Postar um comentário