Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

2 de julho de 2017

This war of mine


A premissa de This War of Mine foge dos padrões dos jogos de guerra: ao invés de nos posicionarmos de um dos dois (ou mais) lados de um conflito, ficamos no controle de um grupo de pessoas comuns, civis, que tentam sobreviver a guerra. Um dos slogans do jogo já escancara isso: "na guerra, nem todos são soldados".

Controlando um grupo de pessoas, que pode variar de um a cinco, seu objetivo é ficar vivo até o final da guerra. Pra chegar até esse ponto você precisa do minimo de alimentação, conforto e segurança.

O jogo permite que, através das suas escolhas, determinado morra de fome, fique deprimido e cometa suicídio, fuja do abrigo para não ter que lidar com os problemas enfrentados, seja roubado e assassinado por outras pessoas... são muitas possibilidades!

Sua trajetória no jogo e o final se baseiam nas decisões éticas e morais que os personagens tomam durante os dias em que ocorre a guerra: ajudar ou não um vizinho, salvar a vida de um inocente, doar alimentos para os necessitados, remédios para o hospital, tudo isso tem um impacto psicológico no personagem que tomou a decisão quanto nos que estão ao seu redor.

Exemplos disso: pra conseguir alimentos e não morrer de fome, é possível invadir e roubar uma casa onde moram um casal de idosos. Eles não conseguem se defender, são totalmente inofensivos e o máximo que fazem para se defender é gritarem "saia da minha casa!". Você está passando fome e precisa de medicamentos. O que você faria?

Outro exemplo é o da garota assediada por um soldado. Se você ficar na sua, não será prejudicado, mas tentar defendê-la, pode até morrer. O que sua consciência diz? Vale a pena salvar uma estranha? Ou é melhor ficar na sua e sobreviver?

A mecânica é bastante simples, porem os recursos são escassos (claro, dependendo da sua imersão dentro do jogo): basicamente consiste em coletar materiais de modo a produzir novos objetos que vão ajudar a manter o abrigo habitável e as pessoas vivas. Para isso é necessário fechar as aberturas que possam levar outros a invadirem o local durante a noite e roubarem suas coisas, cultivar uma horta para ter alimentos para sua subsistência, fazer um fogão caseiro para cozinhar esses alimentos e torná-los mais nutritivos, criar camas, cadeiras e poltronas para ter um minimo de conforto e, por último, armas. Armas para se defender e, eventualmente, atacar e matar.

É sábio você ler as histórias dos personagens: elas dão indícios das suas habilidades dentro do jogo. Marin é um marceneiro, tem como vantagem em relação a outros personagens a capacidade de criar objetos usando menos recursos; Bruno, um chefe de cozinha, gasta menos materiais quando está no fogão; Katia tem vantagem na hora de negociar, enquanto Roman, um ex-combatente, é bom de briga e consegue impedir a maioria dos ataques a noite no abrigo quando fica de vigia.

As histórias são baseadas em relatos reais da guerra da Bosnia.
Postar um comentário