Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

7 de maio de 2011

Chuck, a série que mais evoluiu de todos os tempos na história dos seriados ou como um título megalomaniaco de um post pode chamar sua atenção

Muitos spoilers a seguir!


Já comentei com amigos que só assisto Chuck por obrigação, nem fico muito ansioso pra assistir quando sai o episódio e a legenda na net. Talvez não seja verdade. Talvez eu goste mesmo de assistir e isso não tenha nada a ver com obrigação.

Vi a primeira temporada, gostei, continuei assistindo a segunda, achei o final ótimo e pensei que a série poderia acabar por ali mesmo. Conseguiram, depois de muito apelo dos fãs na campanha SAVE CHUCK, renovar a série. Então veio a terceira temporada. E agora estamos no finalzinho da quarta (faltam dois episódios para terminar) e eu decidi que gosto da série. Mesmo.

Porque eu penso assim. Todos os personagens (talvez com exceção de Debi e Loide Lester e Jeff) evoluíram desde a primeira temporada sem perder sua personalidade. Eles amadureceram. E a história da série também evoluiu.

Chuck, antes questionado se era um espião de verdade, agora é visto com admiração, mas sem perder o lado bobo; o relacionamento entre ele e Sarah evoluiu, acabou aquele lenga-lenga de "eu-gosto-de-você-mas-não-podemos-ficar-juntos-porque-somos-espiões"; conhecemos o passado da espiã e também de Casey, inclusive descobrindo que o mesmo tem uma filha; Morgan deixou de ser um bocó e virou o novo gerente da Buy More, namorando a filha de Casey; Big Mike mantem um relacionamento com a mãe de Morgan; Ellie e Devon tiverem destaque na história, participaram até de missões secretas (in)diretamente. Tiveram até uma filha!; Conhecemos os pais do protagonista, Stephen e Mary (Frost); sabemos suas motivações.

É como se a cada episódio que passasse, a série criasse novas situações, novas perguntas, e as respondesse com propriedade (por isso que digo que a série poderia ter terminado tanto na 1ª, quanto na 2ª ou 3ª temproada). Viram que não basta jogar ao público várias ganchos e respondê-los minguadamente. Ou talvez nem respondê-los (LOST, estou falando sobre você). Chuck é um seriado bem coerente, conseguir unir elementos de comédia sem risadas de fundo com cenas de ação sem precisar violência exacerbada ou litros de sangue na tela. Os únicos momentos apelativos, eroticamente falando, é Sarah entrando na Buy More com um vestido curto e fazendo o cabelo esvoaçar. Simples.


(Gosto muito de comparar as séries que assisto e não consigo deixar de relacionar com o seriado House. Estamos na sétima temporada, mais de 150 episódios produzidos e o personagem É EXATAMENTE O MESMO. Simplesmente não evolui. Ok, ele mantem o mesmo sarcasmo e humor que o caracterizou e é por isso que gosto da série e talvez isso seja suficiente para a grande maioria. Igor me mostrou um link com a audiência de cada episódio de House e vemos que a mesma vem caindo desde a quarta temporada, mas consegue manter a média. Quando os produtores resolvem realmente criar um relacionamento entre House & Cuddy, no inicio da sétima temporada, a audiência DESPENCA. Os últimos 4 episódios da série não chegaram a casa dos 10 milhões de espectadores. Pra uma série que mantinha entre 13 a 16 milhões de pessoas é muita coisa).

Um monte de gente deixou de ver House por isso. Porque virou uma menininha apaixonada (FREIRE, Igor. In: Dados Empíricos)

Voltando a Chuck.


Simplesmente sensacional esse S04E22! Conhecemos a mãe de Alexei Volkoff e descobrimos que este era apenas seu codinome. Seu nome real é Hartley Winterbottom e ele foi o primeiro intersect, antes mesmo de Chuck nascer! E mais, ele era um dos melhores amigos de Stephen Bartowski, o pai de chuck! Quantos spoilers em um mesmo parágrafo!

A CIA criou um dos maiores assassinos da história do mundo. Pessoas poderosas gastaram muita energia encobrindo isso. Sabe o que vai acontecer se descobrirem que sabemos? Vão mandar um cara como eu atirar em nossas cabeças. Seu pai não ia querer isso para você. (Coronel John Casey)

E agora, como reagir? Será que vão libertar Volkoff? Será que Chuck não é o filho biológico de Stephen? Faltando dois episódios para o fim da quarta temporada, descubro no IMDB que o nome do episódio da SERIES FINALE será "Chuck Versus the Cliffhanger". Se você não sabe o que significa esse termo, vamos a definição da Wikipédia:

É um recurso de roteiro utilizado em ficção, que se caracteriza pela exposição do personagem a uma situação limite, precária, tal como um dilema ou o confronto com uma revelação surpreendente. Geralmente, o cliffhanger é utilizado para prender a atenção da audiência e, em casos de séries ou seriados, fazê-la retornar ao filme, na expectativa de testemunhar a conclusão dos acontecimentos. (Fonte)


Só consigo esperar coisas no mínimo sensacionais!

Postar um comentário