Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

1 de junho de 2011

Taken


Produzida por Steven Spielberg, Taken é uma minissérie de 10 episódios exibida nos EUA no ano de 2002. Seu genero é ficção-científica e sua temática principal é OVNIs e as abduções feitas pelos mesmos. MAS NÃO É SÓ ISSO!

A história de Taken dura em torno de 50 anos, tendo como foco três famílias: os Keys, os Crawfords e os Clarkes. Tudo começa em 1947, quando uma nave alienígena cai em uma cidadezinha, transformando Owen Crawford em um curioso e ambicioso capitão da força aérea. Concomitantemente a isso, o veterano da 2ª guerra mundial, Russell Keys, é atormentado por pesadelos de sua abdução por extraterrestres durante o período da guerra. Por fim temos Sally Clarke: uma mulher infeliz em seu casamento que é engravidada por um visitante alien.

À medida que passam as décadas, os herdeiros de cada um são afetados pelas maquinações dos alienígenas!

Abaixo você confere algumas frases extraídas do seriado, bem como cenas da série! Recomendo assistirem, é muito boa e o final não deixa a desejar.

Eu tenho uma idéia do motivo das pessoas fazerem coisas terríveis. Pela mesma razão que as crianças brigam na escola. Se você é aquele que bate, então você não vai ser aquele que apanha. Se você é um monstro, então nada vai pular das sombras para atacar você. É bem simples. Verdade. As pessoas fazem coisas terríveis porque elas tem medo.

Nós todos estamos na beira de um penhasco. Todo o tempo, todos os dias. Um penhasco que todos iremos pular. Mas nossa escolha não é sobre isso. A escolha é se queremos ir a força e gritando ou se queremos abrir nossos olhos e corações para ver o que acontece enquanto caímos.


As pessoas passam por suas vidas algumas vezes sem pensar realmente no que estão fazendo. Os dias se amontoam, e elas ficam cada vez mais tristes e solitárias sem saber realmente porque estão tristes ou como estão sós. Então algo acontece. Conhecem alguém que vêm de uma forma que tem algo em seu sorriso. Talvez isso seja se apaixonar. Encontrar alguém que te faça sentir um pouco menos solitário.

Algumas vezes as pessoas chegam a um momento onde acreditam que encontraram a última oportunidade de ser alguém mais e agarram-na. Quando não funciona, passam o resto de suas vidas olhando para trás e vendo o que poderiam ter sido.


Às vezes o melhor modo para se mover em direção ao desconhecido, é dar passos de bebê. Passos pequenos. Para fazer coisas ordinárias para lidar com algo que de nenhuma forma é ordinária. Nós estamos sempre indo em algum lugar novo. O tempo todo. As coisas familiares só servem para fingir que nós não estamos movendo em território pouco conhecido. Você toma aqueles pequenos passos. Passos familiares. Você tenta ser honesto, e não viver como se nada tivesse mudado, mas continua a tocar a sua vida. Mas existem tempos que o que você precisa é um pouco da coisas como costumavam ser.

Como se deixa alguém partir? Como você entende que está tudo bem? Que tudo muda? Como se acha uma maneira de se sentir de bem com a vida em vez de ter o coração partido? A coisa mais difícil de se aprender a dizer, é adeus. Não sei o que eu vou ser, ou o que vou aprender mas o que eu sei é isto: A vida, toda a vida, trata-se de fazer perguntas. Não de saber as respostas. Querer ver o que há do outro lado da colina. O que nos mantém com vida. Temos que continuar fazendo perguntas, esperando entender. Até mesmo quando nós sabemos que nunca acharemos as respostas nós temos que nos manter fazendo perguntas.

É como um passeio por uma campo minado, não é? A Vida. Quando você começa existe só algumas minas, doenças de infância, quedas de lugares alto. Então você chega na adolescência,existem mais minas, drogas, sexo, motoristas bêbados, crianças solitárias com armas de fogo. E quanto mais velho você fica, mas minas você encontra. E tudo que você está tentando fazer é chegar ao outro lado do campo, mas isto não é possível, é? Não, porque quanto mais você olha, mais minas você vê. Logo, você percebe que não existe nenhum lugar sobrando para andar.
Postar um comentário