Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

13 de setembro de 2011

Um sonho

Dia desses sonhei que eu ia pra praia, mas o mar tava muito cheio, então eu ficava só no raso - que não estava tão raso assim, diga-se de passagem. Fiquei por lá brincando, até que resolvi dar uma mergulho. Apaguei. Acordo em um hospital me perguntando o que tinha acontecido. Os médicos e enfermeiras ao redor me tratavam como se eu não estivesse ali. Eu perguntava "o que aconteceu? o que aconteceu?", mas eles se mostravam surdos para as minhas perguntas. Eu gritava e só então percebi que não conseguia emitir nenhum som. POR QUE? POR QUE? Comecei a gesticular freneticamente até que finalmente consigo a atenção deles. Aponto pra minha boca e tento mostrar que quero dizer algo. Finalmente um médico tem a brilhante ideia de pegar um aparelho e enfiar dentro da minha orelha. De dentro dela ele tira um verme que estava alojado, impedindo que eu emitisse sons. Fico aliviado. Ao por o verme em cima da mesa, ele se transforma em um tipo de lagarto, como um camaleão e sai andando.

Então eu acordei.

Daí analisei. Por que lembrei desse sonho? Tava vendo o oitavo episódio da primeira temporada de Louie. Nele, o protagonista fuma uma bela de uma maconha que o deixa tão chapado que tudo que as pessoas falam ao redor torna-se incompreensível. O verme no ouvido me lembra o PEIXE BABEL do guia do mochileiro das galaxias: ao colocá-lo no ouvido, você consegue falar - e entender, óbvio - em qualquer idioma do universo. E o Hospital me lembrou um episódio de House em que o cara compreendia tudo ao redor, mas não conseguia se comunicar. Não lembro qual episódio era.
Postar um comentário