21 de outubro de 2013

Tá fácil ficar rico?


Cintia me colou este link e fez a pergunta do título do post. Parece que tá, né? R$1900,00 pelo quadro acima. Calma, o autor tem outros quadros. Pelo menos aqui tem algumas coisas mais elaboradas do que, e isso é a descrição do produto, "armado de uma caneta hidrocor apoiada sobre uma folha de papel, ele se limita a deixar que a tinta se esvaia até ferir o branco com uma mancha circular. Como uma semente que, graças a água, transforma-se em planta e árvore, ao mesmo tempo em que, subterraneamente, suas raízes vão crescendo. A simplicidade das obras do artista tem por lastro ideias complexas e que compreendem o processo desencadeado da relação entre os doi".

Sempre que eu vejo estas coisas que EU não considero arte, lembro-me daquele conto de fadas de Hans Christian Andersen: "A Roupa nova do rei"

Um bandido, se fazendo passar por um alfaiate de terras distantes, diz a um determinado rei que poderia fazer uma roupa muito bonita e cara, mas que apenas as pessoas mais inteligentes e astutas poderiam vê-la. O rei, muito vaidoso, gostou da proposta e pediu ao bandido que fizesse uma roupa dessas para ele.
O bandido recebeu vários baús cheios de riquezas, rolos de linha de ouro, seda e outros materiais raros e exóticos, exigidos por ele para a confecção das roupas. Ele guardou todos os tesouros e ficou em seu tear, fingindo tecer fios invisíveis, que todas as pessoas alegavam ver, para não parecerem estúpidas.
Até que um dia, o rei se cansou de esperar, e ele e seus ministros quiseram ver o progresso do suposto "alfaiate". Quando o falso tecelão mostrou a mesa de trabalho vazia, o rei exclamou: "Que lindas vestes! Você fez um trabalho magnífico!", embora não visse nada além de uma simples mesa, pois dizer que nada via seria admitir na frente de seus súditos que não tinha a capacidade necessária para ser rei. Os nobres ao redor soltaram falsos suspiros de admiração pelo trabalho do bandido, nenhum deles querendo que achassem que era incompetente ou incapaz. O bandido garantiu que as roupas logo estariam completas, e o rei resolveu marcar uma grande parada na cidade para que ele exibisse as vestes especiais. A única pessoa a desmascarar a farsa foi uma criança: "O rei está nu!". O grito é absorvido por todos, o rei se encolhe, suspeitando que a afirmação é verdadeira, mas mantém-se orgulhosamente e continua a procissão.
Foto que tirei no Setor 2/UFRN.

E, claro, pra quem considera isso arte (EU não), vale sempre a pena fazer aquele teste de "Arte Moderna ou Desenhos de Criança?". Clique e faça o teste com fé.

Ou, claro, eu não entendo nada de arte e só estou falando besteira. Não faço parte dos que veem a roupa invisível do rei.
Postar um comentário