6 de dezembro de 2013

"Vi no face..."

Um dos meus hábitos é ficar prestando atenção nas conversas dos outros. Principalmente quando estou sozinho. É uma forma de me manter antenado ao que está acontecendo no mundo.


Quarta-feira agora houve uma paralisação do trânsito de Natal devido a uma manifestação da galera dos transportes alternativos. E, claro, muita gente reclamou. Porque, veja só, todos os que reclamaram USAM CARROS. Na minha concepção, protesto só funciona efetivamente se mexer com as pessoas. Senão elas não sabem o que tá acontecendo, o que estão reivindicando, nada. Parar o trânsito em locais que privilegiam o individualismo dos carros frente a coletividade dos transportes (sejam alternativos ou não) é uma forma bastante efetiva.

Mas voltando ao assunto de ouvir conversas dos outros: estava eu na UFRN e um grupo de pessoas falava sobre essa manifestação. Uma das garotas dizia que até o percurso das ambulâncias foi interrompido e pessoas, no plural, morreram por causa do protesto. Um colega dessa menina interpelou, "é sério isso? não tava sabendo..." ao que a garota respondeu "é sim, procura no facebook...".

Longe de desconsiderar as informações que são dadas na rede social, mas muitas, MUITAS mesmo, são dadas sem nenhum embasamento e compartilhadas sem critério. A frase atribuída a Goebbels, o rapaz responsável pela propaganda nazista na segunda guerra mundial, "uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade", faz bastante sentido nessas horas. 

Peloamordeapolo, apurem suas informações! Até a Wikipédia é mais confiável que as informações desencontradas no Facebook. Não encontrei em um canto sequer, nos jornais onlines daqui da cidade, menção a estas pessoas que morreram e estavam em ambulâncias (o que só engrossaria o coro daqueles que acharam ruim a manifestação, "eita, uma pessoa morreu, tudo culpa deles!"). Se nem a "imprensa oficial" relatou, fica difícil acreditar. 

A proposito, existe um site MUITO bom chamado e-farsas que procura desvendas essas farsas que as pessoas publicam na internet como se fossem verdade. Recomendo!
Postar um comentário