Dias Comuns

qualquer coisa aleatória que passa na cabeça

5 de maio de 2011

Anacronizando os contos #1: O Patinho Feio

Lembram que eu tô ouvindo muito podcast? Pois então. Falei dos contos que ouvi, mas não dei muitos detalhes, só disse que eram curtos. Bem, agora vou começar uma série de posts a respeito deles. "Anacronizando os contos" vai dar um novo olhar em relação as fábulas infantis. Perguntas NUNCA ANTES feitas NA HISTÓRIA DESTE PAÍS por educadores serão perguntadas aqui. A primeira história escolhida será "O Patinho Feio". Você lembra da história? Sim? Prossiga o texto. Não? Clique aqui para relembrar.


Pra começar, logo de cara temos uma mãe-pata com ALZHEIMER e com CLEPTOMANIA. Explico: como um ovo de cisne veio parar entre os ovos de pato? Penso que a mãe, como tinha essa compulsão por roubar, roubou, né? E a doença fez ela esquecer.

Outra teoria que tenho é que o patinho sofreu MUTAÇÃO GENÉTICA, mas ela vai por terra quando a gente vê outros cisnes no fim da história. A não ser que todos os patos daquela época chocassem ovos geneticamente modificados. Mas não quero forçar a barra.

Você talvez tenha pensado que o ovo caiu lá por acaso, mas se fosse o caso, a história terminaria com a mamãe-cisne encontrando o patinho feio. Esqueça.


Bom, antes do animal sair do ovo, começam as FOFOCAS. Tem uma pata-velha (Repare, é uma velha. Daquelas que fofocam no lago e falam mal de todo mundo o dia todo. Quanto preconceito com os idosos! Nem todos eles são FOFOQUEIROS) que diz a mamãe-pata que o ovo é de PERUA.

Ok, o ovo nasce, a mãe faz o teste, o animal nada na água junto com os outros, então não é um PERUZINHO. Ufa!

Porem ele era feio. O mais feio de todos. E todo mundo xingava o pato. Óbvio que isso é BULLYING. Os irmãos bicavam ele e até a mãe, que deveria aceitar seu filho como ele é, não queria vê-lo por perto. Sentindo-se ISOLADO e ABANDONADO, o pato foi embora. É aqui que vai começar sua DEPRESSÃO.

Sem nenhum médico para receitar PROZAC ou FLUOXETINA, o pobre pato vagueia por quase uma dezena de locais e em todos ele é mal recebido, maltratado, xingado e usado como palhaço em um SHOW DE HORRORES para entreter os outros com a sua feiúra! Caramba, ele sofreu muito! Ao invés de desenvolver uma sede assassina e matar quem o recriminasse ou cometer SUICÍDIO devido a vida que levava, o pato apenas abaixa a cabeça e vai procurar outro local para viver. É muito SANGUE FRIO.


Pato sendo repelido

Nessa altura da história, o pato acredita ser uma PESSOA pior do que as outras. Ele nem sabe o que significa AUTO-ESTIMA, pois nunca teve. :(

Insatisfeito com a vida, mal sabia que as coisas ia melhorar logo. Finalmente encontrou outros animais que passaram pela mesma situação que a dele, os CISNES. Aí sim, finalmente, o pato descobriu que era um cisne (ou então fez uma operação para mudança de espécie e se tornou um cisne ou talvez os animais que ele conheceu não fosses cisnes, mas PARIAS DA SOCIEDADE ANIMAL que foram repelidos por sua própria espécie).

O importante é que o patinho feio TALVEZ tenha sido feliz, pois finalmente encontrou um GRUPO SOCIAL que ele se identificava.


P.S.: Já ouviram a expressão "Fulano pagou o pato"? A principio pensei que tivesse a ver com essa fábula, afinal pagar o pato significa se dar mal, pagar por algo que você não é, não fez ou não merecia. Ai joguei no Google e vi que um professor de português e literatura chamado Ari Riboldi disse que estou errado. Como é que pode, né? Eu tinha tanta certeza! :( Mesmo assim, aproveite e vejam a entrevista dele no Jô Soares.
Postar um comentário